Templates by BIGtheme NET
Início » Tag Archives: desempregados

Tag Archives: desempregados

Desemprego baixa em Nelas

O número de desempregados inscritos no IEFP relativos ao Município de Nelas revelam em Janeiro de 2018 o número mais baixo desde que há estatísticas, ou seja, apenas 406 desempregados (em Junho de 2014 eram 631, em Junho de 2013 eram 879, em Junho de 2016 eram 482 e em Janeiro de 2018, como se referiu, 406).
Em Junho de 2013 o número de desempregados era de 879 pelo que, em apenas 4 anos, o nível de desemprego recuou para menos de metade, tendo uma quebra de mais de 54%.
O Presidente da Câmara congratulou-se com estes resultados hoje na reunião de Câmara, enaltecendo todo o investimento no desenvolvimento económico e na criação de emprego, sobretudo realizados pelos empresários aqui instalados no Concelho de Nelas, não deixando de notar também que todas as ações desenvolvidas pela Câmara, como a compra e cedência de terrenos, o apoio e acompanhamento a empresários e a realização de obras infra-estruturais para cativar indústria, comércio e serviços nos últimos 4 anos, têm tido plena eficácia.
Mais enfatizou o Presidente da Câmara que estão criadas as condições, com os instrumentos de incentivo adequados, a oferta de emprego e a qualidade de vida crescente, para a atração de mais residentes para o Município, sendo esse o desafio que se coloca no atual mandato autárquico, desafio esse sob o lema “Mais Emprego, Melhor Emprego” que estará no centro das atenções do 5.º Seminário de Empreendedorismo que se realizará na 3.ª semana de Fevereiro próximo.

Por:MN

GIP em Aguiar da Beira

Os Gabinetes de Inserção Profissional (GIP) têm como objetivo apoiar
jovens e adultos desempregados na definição ou desenvolvimento do seu
percurso de inserção ou reinserção no mercado de trabalho, em estreita
articulação com os Centros de Emprego.

Desta forma em Aguiar da Beira vai já funcionando, o GIP no sentido de apoiar também os desempregados deste concelho com o seguinte horário:
Segunda a sexta das 9h00 às 12h30, localizado no Gabinete Centro Emprego (Câmara Municipal Aguiar da Beira).

Por:Município de Aguiar da Beira

Curso de Culinária em Mangualde quase a arrancar

    De 29 de junho a 14 de Julho, a cozinha
da Escola Ana de Castro Osório, em Mangualde, vai ser palco de mais um Curso de
Culinária. Este curso decorrerá no horário das 18h00 às 23h00 e a iniciativa
resulta da parceria entre a Câmara Municipal de Mangualde, o CEARTE – Centro de
Formação Profissional do Artesanato e o Agrupamento de Escolas de Mangualde.

   Estas Unidades de Formação de Curta
Duração (UFCD) são destinadas a desempregados, a profissionais da área da
hotelaria e restauração e outros profissionais com interesse de competências
específicas nesta área. A formação incide sobre os conteúdos de preparação,
confeção e decoração de entradas sólidas (saladas, pratos de ovos, patés e
outras).

    As inscrições são limitadas e decorrem
de 15 a 25 junho, no Gabinete de Inserção Profissional da Câmara Municipal. É
de salientar que, no ato da inscrição, os interessados deverão fazer-se
acompanhar dos seguintes documentos: Curriculum Vitae (resumido), Fotocópia do Bilhete
de Identidade e do N.º de Contribuinte ou do Cartão de Cidadão, Certificado de
Habilitações e uma fotografia.
Por Mun.Mangualde 

Desempregados escolhem roupa para os filhos na loja social da Cáritas de Viseu

A loja social da Cáritas de Viseu tem roupa,
brinquedos e outros bens para a casa. É uma loja como outra qualquer, só
que ali troca-se e oferece-se, não há dinheiro à vista, e qualquer
pessoa é bem-vinda, uma vez que a loja está cheia de roupa. A Cáritas de
Viseu apela a que lhes forneçam expositores, para que possam mostrar
todo o vestuário e calçado que ali têm.

Desempregados de longa duração com origens em encerramentos de pequenas e médias empresas definem o cliente-tipo da loja social.
Eva
Pinto, de 51 anos, chega pouco antes do meio-dia à loja, praticamente
já vazia, pelo aproximar da hora de almoço, e escolhe roupa para o filho
que estuda no 12º ano. Eva está desempregada há anos demais. Vive do
rendimento social de inserção. “Trabalhei numa fabrica de calçado, em
Jugueiros. Fechou, deixaram de fabricar, entretanto  faleceram os donos e
os herdeiros não quiseram dedicar-se àquilo e venderam para lotes. Não
podia arranjar mais nada, tenho que viver de ajudas para mim e para o
meu filho”, relata à RR.

Desempregados também ajudam
A
voluntária Maria Eduarda, 59 anos, recebe quem chega. Também ela está
desempregada.”Trabalhava num escritório de contabilidade, que fechou
e, como estava em casa, vim ajudar aqui”, sorri.

“Recebo o subsidio de desemprego, mas não é muito. Vamos vivendo e ajudando”, diz com uma réstia de esperança.

Os pedidos de ajuda à Cáritas de Viseu não param de crescer. Em
Março, surgiram novos 80 casos de carência. Cerca de 800 pessoas foram o
universo de beneficiários. Destes, 157 não têm qualquer subsidio.

Na
primeira quinta-feira do mês de Junho, a Cáritas de Viseu, vai
organizar um peditório de bens alimentares, de modo a encher os sues
armazéns, vazios, de momento, ao contrário do que se vê na loja social,
que transborda de roupa e brinquedos.

Por Liliana Carona-RR

EM MANGUALDE aprende-se como MODELAR E CORTAR CAMISAS

Vai decorrer de  26 de maio a 09 de junho, das 09h00 às 17h00, numa
sala contígua à sede da Junta da União de Freguesias de Mangualde, Cunha Alta e
Mesquitela , um curso de costura sobre modelação e corte de camisas.

A
iniciativa resulta da parceria entre a Câmara Municipal de Mangualde e o CEARTE
– Centro de Formação Profissional do Artesanato, com o apoio da União de
Freguesias de Mangualde, Cunha Alta e Mesquitela.

 Destinada a desempregados, artesãos ativos e
outros profissionais com interesse de competências específicas nesta área, esta
formação enquadra-se em Unidades de Formação de Curta Duração (UFCD). As
inscrições são gratuitas mas limitadas e decorrem de 15 a 30 de abril, no
Gabinete de Inserção Profissional da Câmara Municipal de Mangualde ou pelo
email gip@cmmangualde.pt .
Fonte:CMM

Governo espera envolver 12 mil desempregados nos estágios

O novo programa de estágios, que esta quarta-feira começou a ser
discutido com os parceiros sociais, deverá arrancar em Março e o Governo
espera envolver 12 mil desempregados com mais de 30 anos.

O
programa Reativar implicará um investimento público de 43 milhões de
euros, susceptíveis de serem financiados por fundos europeus, adiantou
fonte do Ministério da Segurança Social.


Esta nova medida
de emprego dirige-se a desempregados de longa duração (inscritos há mais
de 12 meses nos centros de emprego) que tenham, no mínimo, 31 anos, que
nunca tenham feito um estágio do IEFP e sem que seja necessário terem
feito uma nova qualificação nos últimos três anos.
O estágio pode
ser feito em empresas ou instituições privadas sem fins lucrativos e a
aprovação da candidatura vai depender do número de estagiários que são
contratados pela empresa (um em quatro estagiários tem de ficar).
Os
estagiários suspendem o subsídio de desemprego para receberem uma bolsa
que oscila entre os 419,22 euros e os 691,70 euros, além de subsídio de
alimentação e, em alguns casos, subsídio de transporte.
Em
condições normais, o IEFP comparticipa o valor da bolsa em 65%,
percentagem que pode chegar aos 80% se os estagiários forem
desempregados há mais de 24 meses, se tiverem mais de 45 anos ou se
estiverem em causa vítimas de violência doméstica ou
ex-toxicodependentes, entre outras situações.
Se o estágio for
desenvolvido em entidades privadas sem fins lucrativos, projetos de
interesse estratégico ou entidades com dez ou menos trabalhadores que
estejam a concorrer pela primeira vez a um programa desta natureza, a
comparticipação pode chegar aos 80% ou aos 95%.
Os estágios foram,
de acordo com o Banco de Portugal, responsáveis por um terço da criação
de emprego por conta de outrem no terceiro trimestre do ano passado.
Fonte:Público

Conferencia sobre empreendedorismo com bastante adesão em Fornos de Algodres

Novos empreendedores no futuro
Preletores do 1ºpainel

Durante três dias , Fornos de Algodres acolheu uma conferência de lançamento para jovens licenciados desempregados, cujo tema “Empreendedorismo estratégico e desenvolvimento regional”
Este evento teve logo no primeiro dia, as provas de seleção a todos os inscritos.

O segundo dia foi mais produtivo a nível de preleção de varias instituições ligadas ao empreendedorismo nacional onde o Presidente do Município, Dr Manuel Fonseca deu as boas vindas a todos os presentes e deu abertura ao primeiro painel que tinha como tema, o “Empreendedorismo estratégico e desenvolvimento regional”, como preletores Prof.catedrático Dr Albino Lopes e Prof Dra Patricia Jardim da Palma, ambos abordaram como se pode criar projeto inovador para a região em que se está inserido.

Dr Manuel Fonseca-Pres. Municipio Fornos

No segundo tema do painel como preletor Prof.Dr.Croca Caeiro que abordou o tema Desenvolvimento sustentado dos territórios, onde deixou algumas ideias sobre o desenvolvimento econômico social do interior do País, já por sua vez Dr Miguel Lopes foi alertando que Emprendedorismo é concretizar as ideias e não apenas ser mentor das ideias.
No 2ºpainel, foram diversos organismos que abordaram o tema”Estratégias de desenvolvimento territorial”, António Robalo , CIM, salientou a trabalho em equipa.
Seguiu se, Dr Rui Martins, Comissão de coordenação e desenvolvimento da região centro, demonstrou um pouco o trabalho desenvolvido pelo orgão que representa.

Prof. Dra Patricia Jardim da Palma

Por sua vez , o Dr Couto Paula, IEFP, focalizou que o IEFP tem feito um papel importante no campo da formação do campo empresarial.
Já a Dra Osória Miranda,IAPMEI, abordou o trabalho desenvolvido pelo organismo, e as diversas iniciativas relativas ao empreendedorismo.
Por seu turno, Dr José Manuel Biscaia, AMCB, veio trazer alguns dos projetos desenvolvidos na região  da Cova da Beira.
Por fim , alguns casos de sucesso da região foram apresentados como exemplos a seguir.
No terceiro dia, esta segunda feira, houve trabalhos de grupo com  elaboração de um protótipo de um projeto apresentado, onde posteriormente vai ser eleito o melhor e mais rentável para o respetivo projeto.

Preletores do 2ºpainel

Para concluir os trabalhos da manhã, teve lugar um debate sobre possíveis projetos rentáveis para o concelho.
Durante a tarde, os trabalhos foram mais de cariz individual para todos os participantes.
Os selecionados era frequentar gratuitamente  em Outubro um curso de estudos avançados, ministrado na vila de Fornos de Algodres pelo Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas da Universidade de Lisboa.
Em suma,o Município mostrou-se satisfeito com a adesão dos jovens e tem como bandeira a fixação destes jovens na sua região criando o seu próprio negócio.
fotos:Sofia Pacheco
texto :António Pacheco

1ºEncontro de GIP´S-Refletir para atuar

Decorreu assim desta forma no centro cultural da vila de Fornos de Algodres, um encontro de GIP´S, isto é , de Gabinetes de Inserção e profissional, social distrital, com o tema “Refletir para atuar”onde na verdade , cada vez mais uma aposta na formação das pessoas e também o empreendedorismo tem cada vez mais relevância na nossa região.



Desta forma  abrir o encontro, Dra Sofia, apresentou o entronco saudando, todos os presentes , que para os preletores presentes foi uma satisfação , pois a sala estava esgotada, pois todos compareceram de forma massiva.
de seguida , também o presidente da APSCDFA, Prof Agostinho Freitas, agradeceu a presença de todos e salientou o papel desta associação na comunidade local, onde enalteceu o papel do Município como parceiro nos projetos.
de seguida foi a vez do Presidente do Município, Dr Manuel da Fonseca, que assim agradeceu o evento pela sua organização e mais adiantou que o Estado Português tem de ser a máquina para impulsionar o emprego no nosso País, mas uma coisa adiantou que é preciso agarrar as oportunidades do novo quadro comunitário de apoio que de certa forma privilegia o emprego.

o primeiro orador foi Dr Hugo Cavaleiro, que expôs aos presentes, o projeto Fusion Cowork, seguindo se Dr Rita Vital, com o Projeto da Betweien.
Por fim foi a vez de Dra Conceição Matos, expor assim o papel dos gabinetes de inserção profissional, assim como a importancia da formação para todas as pessoas nos dia que correm.

texto e fotos de Antonio Pacheco

IEFP – Governo dá trabalho abaixo do salário mínimo

Governo dá trabalho abaixo do salário mínimo
O Governo publicou,
no passado dia 31, uma portaria que irá permitir a milhares de
portugueses desempregados receber 419,22 euros em troca de “trabalho
socialmente necessário”. Esta medida, que tem o objectivo, segundo o
Executivo, de “facer face a situações de exclusão e risco social”,
promove oito horas de trabalho diário em troca de um valor abaixo do
salário mínimo nacional, escreve esta sexta-feira o Jornal de Negócios.

Os portugueses que estiverem desempregados há mais de um
ano, que não recebam subsídio de desemprego, que integrem uma família
monoparental ou com cônjuges também desempregados vão poder integrar os
programas ocupacionais do Instituto do Emprego e da Formação
Profissional, explica o Jornal de Negócios.

A partir do final deste mês, os desempregados que preencham os
requisitos acima referidos vão ser abrangidos pelos chamados contrato
emprego-inserção. O objectivo, explica o Governo na portaria publicada, é
o de “fazer face a situações de exclusão e risco social” e o de
promover a empregabilidade, reduzindo o risco de desmotivação ou
marginalização.

A novidade desta medida prende-se com o alargamento do leque de
beneficiários. Até aqui destinava-se apenas a desempregados subsidiados e
a desempregados que recebessem o rendimento social de inserção. Agora,
os desempregados que não recebem qualquer benefício poderão garantir, ao
final do mês, 419,22 euros mais o respectivo subsídio de alimentação –
valor inferior ao salário mínimo nacional (485 euros).

Este alargamento abrange também as empresas. A partir do final do mês
são alargadas as candidaturas a empresas privadas do sector empresarial
local. Até agora só os serviços públicos e autarquias podiam
candidatar-se.
Fonte: JN

Governo aprovou Portaria de incentivo à contratação de desempregados com mais de 45 anos

O ministro da Solidariedade e da Segurança Social,
Pedro Mota Soares, anunciou hoje que o Governo aprovou uma Portaria que
incentiva as empresas e as instituições sociais na contratação de
desempregados com mais de 45 anos.
A medida legislada esta semana
pelo Governo “faz uma dispensa de 100 por cento da Taxa Social Única
(TSU) para todas as empresas e as instituições sociais que contratem
desempregados com mais de 45 anos de idade”, declarou o ministro aos
jornalistas, durante uma visita ao concelho de Seia.

Pedro Mota
Soares referiu que o objectivo é “combater também o desemprego de longa
duração” e “dar oportunidade a trabalhadores com mais idade” de
regressarem ao mercado de trabalho.
“Nesse sentido, medidas como
estas, que permitem uma redução de 100 por cento da TSU ao longo de um
ano para a contratação de desempregados com mais de 45 anos, será,
certamente, um estímulo para podermos minorar este drama do desemprego”,
vaticinou o titular da pasta da Solidariedade e da Segurança Social.
Durante
o discurso proferido no salão nobre da Câmara Municipal de Seia, onde
foi recebido pelo executivo municipal, Pedro Mota Soares reconheceu a
importância das instituições sociais, assinalando que, no interior do
país, são “muitas vezes” os “maiores empregadores da região, à frente do
próprio Estado”.
Apontou que o sector da economia social “emprega
hoje cerca de 250 mil pessoas e tem capacidade de crescer, mesmo num
tempo de dificuldades”.
Pedro Mota Soares referiu que o actual
Governo está a construir, a nível nacional, “uma malha de solidariedade
que serve para prevenir a exclusão social”, assumindo que, em momentos
difíceis como os actuais, “a protecção social existe” e “chega sempre a
quem dela mais precisa”.
O ministro assumiu que as instituições
sociais, os dirigentes e os trabalhadores permitem “que Portugal
atravesse as dificuldades com outro alento e com outra força”, lembrando
que, com a estratégia traçada pelo actual Governo, o país assiste “à
construção de um novo paradigma de resposta social”.
O presidente da
Câmara Municipal de Seia, Carlos Filipe Camelo, alertou o governante
para as várias fragilidades sociais do seu concelho, localizado na
região da Serra da Estrela, destacando o envelhecimento da população, o
despovoamento do território, o desemprego e o isolamento.
Referiu que
a “política de complementaridade” entre as instituições locais “tem
sido relevante” para ultrapassar os problemas, mas lamentou que
candidaturas a projectos relacionados com o combate à violência do
género e ao insucesso escolar não tenham “vingado”.
Na deslocação ao
concelho de Seia, o ministro da Solidariedade e da Segurança Social
também visitou a Fundação Aurora Borges que apoia cerca de 250 pessoas e
está a construir um Lar Residencial e Centro de Actividades
Ocupacionais.
fonte;terras da beira