Templates by BIGtheme NET
Início » Tag Archives: estudo

Tag Archives: estudo

Idealista-Estudo-Apartamento com piscina em Portugal é mais caro

Comprar um apartamento com piscina em Portugal é, em média, 63,4% mais caro do que comprar sem esta comodidade, segundo um estudo publicado pelo idealista. Apenas 9,3% dos apartamentos que se anunciam na plataforma imobiliária em Portugal dispõe de piscina como extra.

Lisboa é a cidade onde a diferença de preço entre comprar um apartamento com ou sem piscina é maior, custando mais 79,1% os que dispõem de piscina. Seguem-se as diferenças de preço de Aveiro (63% mais caras), Castelo Branco (58,8%), Beja (52,6%), Viana do Castelo (44,4%), Porto (32,7%). Por menos de 30% de diferença de preço, encontra-se o Funchal (25%), Faro (23,8%), Coimbra (21,1%), Évora (20,6%) e Braga (14,5%).

É no Funchal onde mais existem apartamentos à venda com piscina (33,3%). Seguem-se Faro (9,6%), Lisboa (8,5%), Porto (3%), Évora (2,9%), Beja (1,6%) e Braga (1,6%). Por menos de 1% de oferta de apartamentos com piscina à venda, encontram-se as cidades de Castelo Branco (0,5%), Coimbra (0,4%), Aveiro (0,4%) e Viana do Castelo (0,2%).

 

Metodologia

Para a elaboração deste estudo, o idealista analisou o preço absoluto dos apartamentos à venda em Portugal, excluindo as moradias. Para o estudo, foram apenas analisadas as capitais de distrito onde a amostra fosse representativa.

Estudo-Consumidores querem garantias de reparabilidade e durabilidade para comprar mais bens em 2.ª mão

  • 7 em cada 10 consumidores estão dispostos a pagar mais por produtos rotulados com estas garantias
  • Consumidores têm uma opinião positiva sobre marcas e retalhistas que entram neste mercado

 

Segundo o estudo Barómetro Europeu do Consumo do Observador Cetelem 2022, dedicado ao tema da Economia Circular, a necessidade de garantia dos produtos em 2.ª mão é um dos fatores que leva os consumidores a optarem por não os comprar. Neste sentido, 86% acreditam que a existência de um índice de reparabilidade seria um fator importante ou muito importante na escolha de um produto. Por outro lado, 90% consideram que um índice de durabilidade também forneceria informações sobre a robustez e confiabilidade dos bens.

Relativamente à existência do índice de reparabilidade, os italianos e portugueses são dos europeus mais favoráveis (94%), enquanto os dinamarqueses e suecos estão mais reticentes (76% e 77%). Quanto ao índice de durabilidade, mais uma vez os italianos e portugueses são os que mais o desejam (95% e 97%), sendo preciso voltar ao norte da Europa para encontrar expectativas mais baixas nesta área.

Este desejo de segurança, no que diz respeito à reparabilidade e durabilidade, tem consequências no preço dos produtos, contudo nem todos estão dispostos a aceitá-las. Ainda assim, 7 em cada 10 europeus dizem estar dispostos a pagar mais por produtos rotulados desta forma, sendo os romenos, búlgaros e húngaros os mais favoráveis (84%, 83% e 80%), enquanto os franceses e belgas estão mais relutantes (61% e 63%).

A importância que os consumidores atribuem à durabilidade e reparabilidade reflete igualmente o sucesso dos produtos recondicionados, principalmente no caso dos telemóveis. Mais de 8 em cada 10 europeus já ouviram falar de recondicionamento de produtos e 1 em cada 2 sabe exatamente o que significa.

 

Valorizar a sua imagem e pensar no futuro

No geral os consumidores têm uma opinião positiva sobre as marcas e os retalhistas que estão a entrar no mercado de 2.ª mão, ao recuperar produtos, dando-lhes uma nova vida. 86% acreditam que as empresas têm estas práticas para demonstrar a sua capacidade de inovação, sendo uma ideia transversal a todos os países onde foi realizado este estudo, com os italianos e portugueses mais uma vez a expressar uma opinião mais favorável. Já 85% dos europeus acreditam que é uma maneira de marcas e retalhistas se prepararem para o futuro. Em terceiro lugar, com 82%, aparece a sugestão de que a adesão ao recondicionamento demonstra compromisso com o meio ambiente.

A capacidade de as marcas e retalhistas se destacarem no mercado e a oportunidade de obterem mais lucro quando entram no mercado de usados recebem uma proporção quase igual dos votos (78% e 77%). Nas duas opções, as diferenças entre os países são muito mais acentuadas. Na primeira, enquanto 87% dos portugueses e 86% dos húngaros veem a prática como fonte de diferenciação, apenas 64% dos alemães estão de acordo. E quando se trata da sugestão de que os retalhistas aderem a estas práticas para gerar lucros adicionais, 87% dos portugueses, 86% dos búlgaros e 85% dos espanhóis são dessa opinião, em comparação com 62% dos alemães e 63% dos austríacos.

 

Estudo-42% dos portugueses revelam que o seu poder de compra diminuiu nos últimos 12 meses

O estudo Observador Cetelem Consumo em tempos de inflação 2022 procurou avaliar a perceção que os consumidores têm da evolução do seu poder de compra nos últimos meses.

Segundo as conclusões do estudo, 4 em cada 10 portugueses diz que o seu poder de compra diminuiu nos últimos 12 meses. Se compararmos os dados relativamente ao género, idade e classe social, o estudo conclui que o poder de compra diminuiu mais junto dos inquiridos do género feminino (45%), dos com mais de 65 anos (52%), e de classes com menores rendimentos (63%). Fazendo uma avaliação por região, também se observa que os portugueses inquiridos residentes na região Centro foram aqueles que mais sentiram o seu poder de compra diminuir (61% Centro vs. 48% Sul vs. 34% Norte).

Já 44% dos portugueses inquiridos revelam que o seu poder de compra permaneceu estável e cerca de 13% que aumentou. No entanto, comparando com o inquérito realizado em novembro de 2021 há também menos consumidores a considerarem que o seu poder de compra aumentou ou permaneceu estável (-8 p.p.).

Quando questionados sobre os fatores que podem ter tido mais impacto na diminuição do poder de compra, os inquiridos apontam responsabilidades ao aumento dos preços dos produtos de uso diário (64%), dos preços dos combustíveis (59%), dos preços da energia (57%), das despesas fixas (34%) e dos custos com a habitação (32%).

Comparando a nível regional, os inquiridos do Norte são os que sentem mais que o aumento dos preços de combustível foi o que teve mais impacto no seu poder de compra (64% vs. 61 Centro vs. 55% Sul), enquanto os inquiridos da região Centro sentem que o seu poder de compra diminui devido ao aumento dos preços dos produtos de uso diário (75% vs. 66% Norte vs. 62% Sul). Já os residentes no Sul do país consideram que se deveu à diminuição de rendimentos (36% vs. 30% Centro vs. 26% Norte).

Impacto da Guerra na Europa

Segundo o estudo, metade dos portugueses (52%) aceita que o seu poder de compra diminua por consequência da guerra na Europa. Fazendo uma avaliação por idade, observa-se que são os jovens aqueles que são mais compreensivos face a esta situação, nomeadamente dos 25 aos 34 anos (58%) e dos 18 aos 24 anos (57%). Os residentes na Zona Metropolitana do Porto demonstram-se também mais compreensivos que os de Lisboa (63% vs. 49%).

Como prova de que os consumidores estão também cada vez mais ativistas e se mantêm atentos ao posicionamento das marcas face a este conflito, 80% dos inquiridos dizem que equacionam boicotar marcas que compactuem de alguma forma com a guerra, considerando este um critério importante no momento de escolha de um produto.

foto:DR

 

Estudo “Consumo em tempos de inflação”

Mais de metade dos portugueses estão preocupados com o futuro da economia portuguesa

Segundo o Observador Cetelem no seu novo estudo “Consumo em tempos de inflação”, que analisa as intenções de consumo de 1000 residentes em Portugal Continental face ao atual contexto. Segundo este novo estudo, cujo trabalho de campo decorreu entre 21 de março e 18 abril, o futuro da economia do país (59%) é o que mais preocupa atualmente os portugueses.

Esta preocupação é mais acentuada entre os inquiridos nas faixas etárias entre os 55-64 anos e os 65-74 anos (64%). Os inquiridos residentes na região de Lisboa são também aqueles que se mostram mais preocupados com a situação económica futura (67% vs. 58% Porto).

Além do futuro da economia, o poder de compra é a segunda fonte de preocupação dos portugueses, (57%) sendo que comparando as várias faixas etárias, os indivíduos com menos de 24 anos são os menos preocupados com este tópico, e a preocupação com o seu futuro profissional surge em 2º lugar (54%). Em terceiro lugar ex aequo, seguem-se as desigualdades sociais (53%) e a situação internacional de crises e guerra (53%), às quais se soma a preocupação com a sua saúde pessoal no caso dos inquiridos com mais de 65 anos (58%).

O futuro do planeta (51%) fecha o top 5 das principais preocupações da maioria dos inquiridos, sendo a segunda maior fonte de preocupação entre os residentes na região Sul (59%).

Entre os diversos temas apresentados, a vida pessoal (familiar, amorosa e social) é o que menos preocupa os portugueses (38%). Neste domínio, os inquiridos das faixas etárias entre os 65 e os 74 anos são os que estão menos preocupados (30%) e os inquiridos com idades entre os 35 e os 44 anos (44%) e os 55 e 64 anos (44%) aqueles que ainda assim demonstram ter alguma preocupação relativamente ao tema. Observando as respostas por regiões, os inquiridos residentes a Sul do país são os menos preocupados (24%) com este tema, ao contrário dos residentes do Norte do país (42%).

Perceção dos portugueses sobre a situação do país e pessoal piora

 De acordo com o estudo do Observador Cetelem, 35% dos portugueses inquiridos manifestam uma opinião negativa quanto à situação atual do País, tendo a situação piorado face a outubro de 2021 (22% consideravam a situação negativa). Apesar de se observar uma inflexão, com uma perspetiva negativa, esta está longe da registada com o surgimento da pandemia, que chegou a acolher 72% de opiniões negativas em novembro de 2020. Em termos geográficos, o Porto é a região que melhor avalia a situação do país (28% vs. 22% Lisboa).

Também quando inquiridos sobre a perceção da sua situação pessoal, os valores pioraram, registando 34% vs. 21% em outubro de 2021. Relativamente a esta questão, o estudo indica que os inquiridos com 55 ou mais anos e de famílias em que o rendimento do agregado normalmente é inferior tendem a dar notas mais baixas à sua situação pessoal atual. Geograficamente, os portugueses que vivem na região Norte são os mais positivos face à sua situação pessoal (35%), seguindo-se os residentes da zona Centro (28%) e da zona Sul do país (26%).

Alunos da Escola Profissional de Trancoso iniciaram estágio

Iniciaram mais um período de Formação em Contexto de Trabalho, noventa e três alunos do 12.º ano da Escola Profissional de Trancoso vão estar, nos próximos 2 meses, em empresas, numa experiência que constitui um dos pontos diferenciadores do percurso escolar no Ensino Profissional.
Com a realização destes estágios, os alunos deste tipo de ensino usufruem de experiências privilegiadas em contexto real, o que lhes proporciona maiores oportunidades de posterior inserção no mercado de trabalho.
Para a realização dos estágios, a EPT possui uma vasta rede de protocolos (mais de centena e meia) com o tecido empresarial local, regional e nacional, o que permite que os alunos possam realizar estágios não só no concelho de Trancoso, mas também em outras vilas e cidades do distrito da Guarda, Viseu, Bragança, Vila Real, Viana do Castelo, Leiria ou Lisboa.
A Formação em Contexto de Trabalho é, igualmente, um dos pontos fortes relativamente aos indicadores pedagógicos da EPT. No ano letivo transato, os alunos da EPT conseguiram nos estágios obter a excelente média de 18,2 valores.

Viabilização da prospeção de lítio no território: Câmara da Guarda defende mais estudos

O estudo de avaliação ambiental que o Ministério do Ambiente e Ação Climática divulgou na passada quarta-feira, 2 de fevereiro, dá conta da viabilização da prospeção de lítio em seis regiões de Portugal, sendo cinco dessas zonas no distrito da Guarda e quatro delas no território do nosso concelho.

«A Câmara da Guarda estava certa quando emitiu um parecer desfavorável ao programa proposto inicialmente para a prospeção e pesquisa, dado que a publicação dos resultados desse mesmo estudo do Governo nos territórios no concelho da Guarda, do qual tivemos conhecimento apenas pela comunicação social, veio confirmar a redução para metade da área de prospeção do nosso concelho face ao que estava previsto», refere a propósito da divulgação do estudo, o presidente da Câmara da Guarda, Sérgio Costa.

O autarca garante que terá de ser bem avaliado todo este processo, para aferir se a prospeção e a pesquisa não trará «mais desvantagens que vantagens ao território» e dá como exemplo a exploração de Urânio, Rádio e Volfrâmio na região nos anos 60 e 70 do século XX, «que custou mais de 5 milhões de euros ao Estado Português para obras de remediação ambiental, nos últimos anos». Para o autarca, as zonas incluídas para a prospeção chocam ainda, nomeadamente com territórios do Estrela Geopark Mundial da UNESCO que espera ver a chancela da Organização das Nações Unidas reafirmada. Ou ainda o Miradouro Hidrográfico das três bacias, em Vale de Estrela, local que marca o ponto de convergência das bacias hidrográficas dos maiores rios que cruzam o território português: Douro, Mondego e Tejo. Há ainda outras duas áreas em questão e de manifesto interesse arqueológico como é o caso do Castro do Tintinolho, na Guarda ou do Cabeço das Fráguas, na Benespera. As zonas indicadas pelo referido Estudo do Governo, colocam ainda em risco áreas agrícolas e naturais importantes que podem «vir a comprometer o desenvolvimento turístico e económico do território do Concelho da Guarda».

De referir que globalmente, foram viabilizadas pelo Estudo Ambiental as áreas denominadas “SEIXOSO-VIEIROS”, que abrange os concelhos de Fafe, Celorico de Basto, Guimarães, Felgueiras, Amarante e Mondim de Basto, “MASSUEIME”, que atinge os municípios de Almeida, Figueira de Castelo Rodrigo, Pinhel, Trancoso e Meda, “GUARDA-MANGUALDE C (Blocos N e S)”, que inclui Belmonte, Covilhã, Fundão e Guarda, “GUARDA-MANGUALDE E”, que abrange Almeida, Belmonte, Guarda e Sabugal, “GUARDA-MANGUALDE W”, que inclui Mangualde, Gouveia, Seia, Penalva do Castelo, Fornos de Algodres e Celorico da Beira, bem como “GUARDA-MANGUALDE NW”, área que inclui os municípios de Viseu, Satão, Penalva do Castelo, Mangualde, Seia e Nelas.

Artigo:Preço das casas em Portugal subiu 8,3% em 2021

Os preços das casas em Portugal subiram 8,3% em 2021, considerando os dados de dezembro de 2021 e o mesmo mês de 2020. Segundo o índice de preços do idealista, no final do mês de dezembro de 2021, comprar casa tinha um custo de 2.325 euros por metro quadrado (euros/m2), tendo em conta o valor mediano. Já em relação à variação trimestral, a subida foi de 2,6%.

Regiões

Em 2021, os preços das casas subiram em todas as regiões. A Região Autónoma da Madeira lidera a lista apresentando uma subida na ordem dos 13,6%, sendo a maior subida a nível nacional. Seguem-se a Área Metropolitana de Lisboa (10,9%), o Algarve (9,9%), o Alentejo (8,3%), o Centro (7,4%), o Norte (5,2%) e a Região Autónoma dos Açores (4,8%).

A Área Metropolitana de Lisboa, com 3.346 euros/m2, continua a ser a região mais cara, seguida pelo Algarve (2.602 euros/m2), Norte (1.929 euros/m2) e Região Autónoma da Madeira (1.905 euros/m2). Do lado oposto da tabela encontram-se a Região Autónoma dos Açores (1.047 euros/m2), o Alentejo (1.109 euros/m2) e o Centro (1.187 euros/m2) que são as regiões mais baratas.

 

Distritos/Ilhas

Dos distritos analisados, as maiores subidas tiveram lugar em Évora (19,4%), Braga (16%), Setúbal (15%), Ilha da Madeira (13,6%), Aveiro (11,5%), Lisboa (11,3%), Leiria (10,4%) e Beja (10,2%). Seguem-se na lista Faro (9,9%), Ilha do Pico (9,4%), Ilha do Faial (8,4%), Porto (6,1%), Castelo Branco (5,9%) e Santarém (5,7%). As subidas menos acentuadas foram na Guarda (5,2%), Vila Real (4,2%), Viana do Castelo (4,2%), Ilha da Terceira (4,1%), Ilha de São Miguel (2,9%), Ilha de Porto Santo (2,5%) e Coimbra (1%).

Em sentido contrário, desceram em Portalegre (-5,8%) e Viseu (-0,2%).

De referir que o ranking dos distritos mais caros para comprar casa é liderado por Lisboa (3.725 euros/m2), seguida por Faro (2.602 euros/m2), Porto (2.271 euros/m2), Setúbal (1.944 euros/m2) e Ilha da Madeira (1.917 euros/m2). Comprar casa em Aveiro custa 1.398 euros/m2, no Porto Santo 1.381 euros/m2, Leiria 1.255 euros/m2, Braga 1.248 euros/m2 e Coimbra 1.228 euros/m2.

Os preços mais económicos encontram-se em Portalegre (607 euros/m2), Guarda (661 euros/m2), Castelo Branco (736 euros/m2), Bragança (761 euros/m2), Santarém (842 euros/m2) e Beja (856 euros/m2).

 Cidades capitais de distrito

Os preços das casas aumentaram em 15 capitais de distrito, com Aveiro (22,8%), Setúbal (17,1%) e Braga (13,2%) a liderarem a lista. Seguem-se Leiria (11,9%), Viana do Castelo (10,9%), Faro (9,5%), Funchal (8,9%), Viseu (8,8%), Évora (7,3%), Lisboa (6,7%), Santarém (6,3%), Beja (4,7%) e Portalegre (3,8%). Já no Porto a subida foi de 2,2% e em Castelo Branco de 0,8%. Em Beja os preços mantiveram-se estáveis em 2021.

Por outro lado, os preços desceram em apenas em quatro capitais de distrito, sendo a maior descida em Vila Real (-5,3%). Seguem-se Ponta Delgada (-4,1%), Coimbra (-3,7%) e Bragança (-0,5%).

Lisboa continua a ser a cidade onde é mais caro comprar casa: 4.992 euros/m2. Porto (3.014 euros/m2) e Faro (2.184 euros/m2) ocupam o segundo e terceiro lugares, respetivamente. Já as cidades mais económicas são Portalegre (680 euros/m2), Guarda (749 euros/m2) e Bragança (768 euros/m2).

O índice de preços imobiliários do idealista

A partir do relatório referente ao primeiro trimestre de 2019, a metodologia de elaboração deste estudo foi atualizada. Após a incorporação do idealista/data no grupo idealista, foram introduzidas novas fórmulas de cálculo que contribuem para uma maior precisão na análise da evolução dos preços, particularmente em pequenas zonas. Ainda assim, a amostra na Ilha das Flores (Açores) não foi contemplada no estudo, por não ter sido considerada representativa nas datas em análise.

Por recomendação da equipa estatística do idealista/data, a fórmula para encontrar o preço médio foi atualizada: além de eliminar anúncios atípicos e com preços fora do mercado, calculamos o valor mediano em vez do valor médio. Com esta mudança, além de tornar o estudo mais próximo da realidade do mercado, homologamos a nossa metodologia com as que se aplicam em outros países para a obtenção de dados imobiliários.

Incluímos ainda a tipologia “moradias unifamiliares” e descartamos todos os anúncios que se encontram na nossa base de dados e que estão há algum tempo sem qualquer tipo de interação pelos utilizadores. O relatório continua a ter como base os preços de oferta publicados pelos anunciantes do idealista.

Novos dados sobre pegadas de dinossauros carnívoros do Jurássico no Cabo Mondego

Um estudo que acaba de ser publicado na revista científica Palaeoworld reporta a descoberta de novas pegadas de dinossauros carnívoros do Jurássico no Cabo Mondego e revela ambientes e modos de vida destes animais.

Nesta investigação, que envolveu cientistas da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Brasil, da Universidade de Coimbra (UC) e do Instituto Politécnico de Tomar (IPT), foram encontradas dezenas de pegadas.

Há mais de um século, na Figueira da Foz, «foram descobertas as primeiras pegadas de dinossauros em Portugal. Assim, o nosso país entrou na rota dos estudiosos dos dinossauros. Através de novos estudos pormenorizados das rochas sedimentares com cerca de 156 milhões de anos, que ocorrem no Cabo Mondego, descobriu-se um registo que amplia o conhecimento acerca destes répteis do Mesozoico», explicam os autores do artigo científico, Ismar de Sousa Carvalho (UFRJ), Pedro Proença Cunha (UC) e Silvério Figueiredo (IPT).

O estudo agora publicado na revista Palaeoworld, prosseguem, apresenta a «caracterização dos aspetos morfológicos das pegadas e a sua relação com as superfícies arenosas por onde caminhavam. Os resultados obtidos evidenciam condições de humidade variadas associadas à génese das pegadas e uma grande diversidade de dinossauros».

Além disto, salientam os cientistas, «reconheceu-se que no decorrer do intervalo de 160 a 156 milhões de anos atrás existiu uma modificação nos grupos de dinossauros produtores de pegadas: predomínio inicial por herbívoros e carnívoros de grande porte e, ulteriormente, predomínio dos carnívoros de menor tamanho».

Com estas descobertas ampliou-se o número de camadas com pegadas de dinossauro caracterizadas no Monumento Natural do Cabo Mondego, transformando-o «num dos mais importantes marcos do registo fóssil ibérico, valorizando ainda mais o Geoparque do Atlântico», concluem.

O artigo científico, intitulado “Dinoturbation in Upper Jurassic siliciclastic levels at Cabo Mondego (Lusitanian Basin, Portugal): evidences in a fluvial-dominated deltaic succession”, está disponível em: https://doi.org/10.1016/j.palwor.2021.09.001.

Cristina Pinto – Assessoria de Imprensa – Universidade de Coimbra – Comunicação de Ciênciano âmbito do programa “Cultura, Ciência e Tecnologia na Imprensa”, promovido pela Associação Portuguesa de Imprensa.

Como as hormonas podem aliviar as dificuldades de movimento após uma lesão cerebral

No âmbito do programa “Cultura, Ciência e Tecnologia na Imprensa”, promovido pela Associação Portuguesa de Imprensa.

Um estudo publicado na revista científica eLife (https://elifesciences.org/articles/65247), e que tem como primeiro autor Nikolay Lukoyanov, investigador do Instituto de Investigação e Inovação em Saúde da Universidade do Porto (i3S) e professor da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto (FMUP), revela que as hormonas libertadas pela hipófise após uma lesão cerebral contribuem para a perda de movimentos corporais. Se estas hormonas foram bloqueadas, indicam estes novos resultados, os efeitos nocivos de uma lesão podem ser contrariados. Uma descoberta que pode ter implicações no tratamento de pessoas com lesões cerebrais traumáticas ou AVC.

«Sabemos que um AVC ou uma lesão de um lado do cérebro causa dificuldades de movimento no lado oposto do corpo e estudos recentes mostraram-nos também que se dermos certas hormonas a um ratinho sem lesão cerebral isso pode causar perda de movimentos num dos lados do corpo. Descobrimos então, após testes in vivo, que são duas hormonas hipofisárias em específico – a ß-endorfina e a Arg-vasopressina – que causam este efeito de contração dos membros», explica Nikolay Lukoyanov.

A equipa administrou estas duas hormonas a ratos sem lesões cerebrais e descobriu que eles desenvolveram contração do membro inferior do lado direito. Tentaram depois perceber o que aconteceria se dessem a ratos com lesão cerebral do lado esquerdo medicamentos que bloqueiam os efeitos destas duas hormonas. «Concluímos que os animais não desenvolveram problemas de movimento do lado direito» como seria de esperar, adianta, em comunicado, Georgy Bakalkin, professor do Departamento de Biociências Farmacêuticas, Universidade de Uppsala, Suécia, e co-autor do estudo.

Isto diz-nos, conclui Nikolay Lukoyanov, que as «hormonas transmitem sinais específicos dos lados após uma lesão cerebral» e a «nossa expectativa é que se tratarmos os pacientes com lesões cerebrais semelhantes com medicamentos que bloqueiam os efeitos destas hormonas, podemos obter melhorias» na condição física.

«Estas observações sugerem que o sistema endócrino através das suas hormonas no sangue pode visar seletivamente os lados esquerdo e direito do corpo dos animais», conclui Bakalkin. «Temos de ser cautelosos na interpretação destas descobertas e das suas implicações biológicas e precisamos de verificar este fenómeno noutros modelos animais. Mas se se confirmarem os benefícios de tratamentos que bloqueiam estas hormonas, poderemos ter aqui uma nova abordagem ao tratamento de problemas de movimento após um AVC ou lesão», acrescenta Nikolay Lukoyanov.

Os editores, autores e revisores deste artigo discutiram largamente os resultados e classificaram o trabalho da seguinte forma: “extremamente interessante. E, se os seus resultados forem replicados, é também um estudo de enorme importância», “este manuscrito relata resultados notáveis de altíssima importância científica e possivelmente clínica”, “este estudo examina um fenómeno intrigante” e “esta contribuição é tão importante como inesperada. O interesse fundamental e clínico destes estudos não pode ser sobrestimado».

Georgy Bakalkin e Jens Schouenborg (Universidade de Lund, Suécia) são co-autores séniores do estudo. A equipa inclui os primeiros co-autores Nikolay Lukoyanov (Universidade do Porto, Portugal), Hiroyuki Watanabe (Universidade de Uppsala, Suécia), Liliana Carvalho (Universidade do Porto), e Olga Nosova e Daniil Sarkisyan (ambas Universidade de Uppsala). Inclui também os investigadores Mengliang Zhang e Marlene Storm Andersen (Universidade do Sul da Dinamarca), Elena A. Lukoyanova (Universidade do Porto), Vladimir Galatenko (Universidade Estatal de Moscovo Lomonosov, Rússia), Alex Tonevitsky (Escola Superior de Economia da Universidade Nacional de Investigação, Rússia), e Igor Bazov e Tatiana Iakovleva (ambas da Universidade de Uppsala).

Por:Instituto de Investigação e Inovação em Saúde da Universidade do Porto (i3S)

Estudo:Preço das casas aumentam no Litoral

O preço das casas no litoral português aumentou 3,9% em abril de 2021 face ao mesmo mês do ano passado –, fixando-se o preço do metro quadrado (m2) em 1.371 euros, segundo um estudo realizado pelo idealista.

As casas no litoral do distrito de Beja foram as que mais encareceram, com os preços a dispararem 11,4%, para 1.932 euros por m2. Seguem-se as habitações localizadas nos litorais dos distritos de Aveiro, com uma subida de preço de 10,9%, do Porto (10,6%) e de Setúbal (9,4%). Já no litoral do distrito de Faro, pertencente à Costa algarvia, os preços subiram 5,5%. Nos litorais dos distritos de Lisboa, Leiria, Viana do Castelo e Coimbra os preços aumentaram 5,2%, 4,3%, 4,2% e 2,9%, respetivamente, enquanto na Ilha de Porto Santo (Madeira) o aumento registado foi de 0,6%.

Por outro lado, foi na Ilha Terceira onde os preços das casas no litoral português mais desceu, -5,3%. Seguem-se a Ilha de São Miguel (-3,6%), o litoral do distrito de Braga (-3,1%) e a Ilha da Madeira (-1,3%).

É no litoral do distrito de Lisboa que é mais caro comprar casa perto da praia, com o m2 a custar 2.288 euros. Seguem-se os litorais dos distritos de Faro (2.247 euros/m2), Beja (1.932 euros/m2), Setúbal (1.855 euros/m2) e Porto (1.828 euros/m2) e a Ilha da Madeira (1.376 euros/m2) e de Porto Santo (1.334 euros/m2).

Em sentido inverso, ou seja, onde é possível comprar as casas mais baratas à venda no litoral do país, encontram-se a Ilha de São Miguel (839 euros/m2) e a Ilha Terceira (849 euros/m2) e os litorais dos distritos de Coimbra (934 euros/m2), Viana do Castelo (1.036 euros/m2), Braga (1.123 euros/m2), Aveiro (1.201 euros/m2) e Leiria (1.333 euros/m2).

Por:Idealista