Templates by BIGtheme NET
Início » Cultura (Pagina 4)

Cultura

Mangualde recebeu a visita do Presidente do IFAP

O concelho de Mangualde recebeu a visita do Presidente do IFAP (Instituto de Financiamento da Agricultura e Pescas), João Mateus, neste dia.
Com o objetivo de conhecer alguns dos projetos agrícolas do concelho, João Mateus, acompanhado pelo Presidente da Câmara Municipal de Mangualde, Marco Almeida e pelo vereador da Agricultura, Rui Costa, visitou várias explorações agrícolas nas mais variadas áreas do setor, vinícola, frutos vermelhos e produção de queijo Serra da Estrela DOP.
O Presidente do IFAP ficou a conhecer de perto a importância do setor primário na economia local, bem como a importância dos apoios que são atribuídos aos agricultores através do Instituto que tutela.
Para Marco Almeida, Presidente da autarquia mangualdense, esta visita foi importante para o concelho, mais em concreto para o setor agrícola, uma vez que “o senhor Presidente do IFAP pôde testemunhar vários projetos no concelho, ouviu pela voz dos produtores e dos presidentes das cooperativas muitas das suas preocupações.”
João Mateus, aproveitou ainda a sua visita a Mangualde, para visitar o Gabinete de Apoio ao Agricultor (GAA) que este ano comemora 12 anos de atividade, sendo que nos últimos cinco anos, teve um grande crescimento, passando de 560 candidaturas ao Pedido Único em 2017, para 800 candidaturas ao Pedido Único em 2022, tendo um crescimento de 30%, nestes cinco anos.

The Gift, Maninho e Fernando Daniel vão colocar ao rubro “Festas da Vila” de Figueira de Castelo Rodrigo

 As habituais “Festas da Vila” de Figueira de Castelo Rodrigo vai voltar a ter no mês de agosto festividades que durante quatro dias prometem atrair gente de toda a região ao centro da vila Figueirense, trazendo de novo animação para todos os gostos e idades, depois de um interregno de dois anos.
O local escolhido é o Largo Serpa Pinto, e o programa das “Festas da Vila” contempla concertos, mostra de atividades económicas e de produtos endógenos, tasquinhas e artesanato.
No dia 11 de agosto, o cantor brasileiro Maninho vai inaugurar as festividades, seguido da banda 100 Ensaios. Na sexta-feira, dia 12, o palco recebe Fernando Daniel, seguido do projeto Tryangle Project DJs, que irão fechar a noite.
Para sábado, dia 13, um dos dias mais emblemáticos das “Festas da Vila”, está programado o “Dia dos Idades”, onde pessoas do mesmo ano de nascimento se juntam em convívio. Esta iniciativa iniciará com a concentração dos grupos
junto à Câmara Municipal, seguida de uma “Idades Parade Color Party”, um desfile com animação num camião palco que conduzirá os grupos por algumas das artérias da vila com muita música, cor e surpresas. Durante a noite, a animação continua com a banda Forever 80’s, DJ Overule e os DJS Morfal.
Para o dia 14 de agosto, véspera de feriado, a noite começa com a banda
Bigamia, que irá abrir o mega concerto dos The Gift, seguindo-se depois
Fernando Alvim.
Para Carlos Condesso, Presidente da Câmara Municipal, estas festividades
dizem muito aos Figueirenses e aos emigrantes filhos da terra que regressam
e se reúnem com familiares e amigos nas festas da vila”. O autarca refere que
o programa “foi pensado ao pormenor, para poder ser o mais abrangente
possível, chegando a todas as gerações e captando visitantes de toda a região,
querendo ser mais uma alavanca na economia local”.
As “Festas da Vila” de Figueira de Castelo Rodrigo têm lugar de 11 a 14 de
agosto, no Largo Serpa Pinto, e as inscrições para as tasquinhas e stands da
festa estão abertas até dia 5 de agosto, com toda a informação disponível no
site institucional da Câmara Municipal.

“Falar com Imagens – Curtas Metragens” em Celorico

A Torre do Castelo de Celorico da Beira, vai acolher o evento “Falar com Imagens – Curtas Metragens”,no próximo dia 22 de julho, pelas 21H30.

Trata-se da exibição de 8 curtas-metragens (“Pastor”, “Adufe”, “Burel”, “Cobertor de Papa”, “Pescadora de Rio”, “Bombo”, “Viola Beiroa” e “Alfaiate”), realizadas na região da Beira Interior e, em especial, no território da Serra da Estrela, pela Universidade de Cinema e Televisão de Munique, antes da pandemia.

Estas 8 curtas metragens documentais vão possibilitar um novo olhar sobre a Beira Interior, o seu património cultural e o modo de vida das suas gentes. Vão levar até ao telespectador os usos, costumes, tradições, artes e ofícios milenares que caracterizam estes territórios e os seus artesãos, protagonistas e mestres de artes ancestrais que resistiram e/ou se moldaram ao progresso e ainda se mantêm nos dias de hoje.

Este registo audiovisual vai perpetuar “ad aeternum” o riquíssimo património imaterial desta região, e permitir o seu acesso às gerações futuras.

VI edição da Oficina de História da Guarda

O Centro de Estudos Ibéricos vai levar a efeito, 25 a 29 de julho e de 13 a 16 de setembro, a VI edição da Oficina de História da Guarda. Dirigida por Rita Costa Gomes, Professora de História na Universidade de Towson (EUA) e uma das especialistas da História Medieval da Guarda, a Oficina visa promover a pesquisa sobre o património e a história da Guarda e da sua região. Os participantes desta ação de formação produzirão conteúdos resultantes da sua própria pesquisa, visando a atualização e divulgação dos conhecimentos sobre esta temática, ligando a história local com outras escalas e âmbitos de pesquisa histórica.

Este ano a Oficina de História abordará o tema da “Visita do Inquisidor à Guarda no século XVI”. Nas primeiras décadas da sua existência, a Inquisição portuguesa realizou visitas por todo o país, ressuscitando e aperfeiçoando uma prática que recuava aos tempos medievais. Assim, nesta edição a Oficina lançará o estudo de uma visita inquisitorial feita à Guarda no século XVI, investigando a partir das fontes da época quem era o inquisidor que veio à Guarda, que atividades desenvolveu na cidade, e que consequências teve a visita para as populações.

A oficina funcionará em modalidade híbrida, com uma série de 5 sessões presenciais na sede do CEI (25 a 29 de julho, das 18h00 às 20h00) e 4 sessões remotas por Zoom (13 a 16 de setembro, das 18h00 às 20h00). Realizada em parceria com o IPG, a ação é creditada pelo CCPFC para Professores do Grupo 400, na modalidade Círculo de Estudos, sendo a inscrição gratuita, obrigatória e limitada a 25 participantes (http://www.cei.pt/ohg/).

Na página da Oficina de História da Guarda podem ser consultadas as investigações e artigos resultantes das edições anteriores, bem como entrevistas em podcast sobre as temáticas abordadas que permitam estudar o passado da Guarda numa perspetiva regional, comparativa e na sua dimensão ibérica http://www.cei.pt/ohg/

CIM Viseu Dão Lafões entregou equipamentos de combate à vespa velutina (vespa asiática) aos municípios da região

O projeto “Deteção e Combate à Espécie Exótica Invasora Vespa Velutina”, da Comunidade Intermunicipal (CIM) Viseu Dão Lafões, promoveu hoje a entrega de equipamentos de combate à vespa velutina (vespa asiática) aos municípios da região.

Entre os equipamentos distribuídos, numa sessão que teve lugar em Tondela, encontra-se diverso equipamento de proteção individual (EPI), hipsómetros, binóculos e kits de destruição de ninhos.

Este projeto, que se assume como uma forte aposta da CIM Viseu Dão Lafões na deteção e combate à espécie exótica invasora vespa velutina (vespa asiática), está orçamentado em 330 mil euros e consiste na operacionalização de ações dirigidas para a prevenção, vigilância e controlo da espécie, para proteção dos ecossistemas e, em particular, dos mecanismos de polinização por eles suportados.

Tendo em vista a deteção precoce de exemplares ou ninhos de vespa velutina e o posterior mapeamento e estudo da sua dispersão pelos 14 municípios da CIM Viseu Dão Lafões, já foi instalada, em todo o território, uma rede de armadilhas entomológicas de monitorização, dispostas numa malha de 3 quilómetros. A recolha e registo dos espécimes capturados são feitos de forma quinzenal, em todas as armadilhas, e estender-se-á por um período de dois anos. A recolha e monitorização realizada até ao presente permitem já um primeiro enquadramento da presença da espécie e da sua distribuição pelo território da região.

Para o Secretário Executivo da CIM Viseu Dão Lafões, Nuno Martinho, “este projeto assume uma importância estratégica para a região, na medida em que permite não só desenvolver um plano intermunicipal de combate a esta espécie invasora, mas também aumentar o conhecimento geral sobre a vespa asiática”. 

“Nesta fase do projeto, a CIM está a dotar os municípios das ferramentas necessárias para a deteção e o combate à vespa asiática. Queremos minimizar os efeitos provocados por esta espécie na atividade agrícola, os impactos na biodiversidade e, claro, promover a segurança das populações nos 14 municípios da região Viseu Dão Lafões”, complementa Nuno Martinho.

Recorde-se que esta iniciativa, que conta com a colaboração da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra, está orçamentada num valor total superior a 330 mil euros, financiado a 85% pelo Programa Operacional Sustentabilidade e Eficiência no Uso de Recursos (POSEUR).

Luís Celínio novo cavaleiro da Ordem do Caminho de Santiago

Recentemente, Luís Celínio Antunes, presidente do Clube Escape Livre foi nomeado cavaleiro da
Ordem do Caminho de Santiago em cerimónia de investidura que teve lugar no
Parador dos Reis Católicos em Santiago de Compostela no passado sábado, 16 de
julho.

A propuesta del Conciller Y Vice-Presidente D. Alejandro Rubin Y en atencion a las
virtudes y merecimentos personales que concurren en su persona, há tenido a bien
proponerle para Caballero de esta Orden” consta da decisão do Patronato da Ordem del
Camino de Santiago.

No mesmo documento pode ler-se que “…a ordem do Caminho de Santiago promove o
caminho a nível nacional e internacional estando representada em 36 países. Está formada
por personalidades mundiais de todos os setores: político, financeiro, empresarial, judicial,
eclesiástico etc”.

Na ocasião e na Assembleia de investidura Luís Celínio teve oportunidade de referir: “é
uma honra enorme esta inclusão na Ordem do Caminho de Santiago. Caminho que
percorri pela primeira vez em 2010 e que desde então nos apaixonou tornando-se um
percurso constante nas atividades do Clube Escape Livre com partida de Trancoso
ou da Guarda. Esta distinção entendo-a como um desafio ao Clube Escape Livre
para a partir da cidade mais alta de Portugal, a minha cidade da Guarda, continuar a
promover o Caminho de Santiago. E é isso que continuarei a fazer em Portugal e
nomeadamente no Centro de Portugal onde o Caminho de Santiago tem grande
potencialidade para crescer”.
O presidente da Câmara da Guarda, Sérgio Costa, já enviou uma missiva de parabéns a
Luís Celínio onde se pode ler: “Deixo-lhe os meus Parabéns e o meu apreço, porque
depois de um forte e reconhecido percurso na afirmação da identidade turística da
Guarda, continua incansavelmente a fortalecer e dar amplitude a projetos em
desenvolvimento e, acima de tudo, disponível para projetar novos e ímpares
desafios, transformando-os em realidade, conquistando, descobrindo e afirmando as
nossas potencialidades”.
Nesta cerimónia foram investidos 25 Cavaleiros e Damas oriundos de Espanha, Portugal, Itália,
México e Filipinas.

Recorde-se que em outubro passado por ocasião de mais um Caminho de Santiago
organizado pelo Clube Escape Livre, o Mercedes-Benz 4MATIC Experience, e após
convite pessoal do Chanceller da Ordem do Caminho de Santiago, Alejandro Rubin
Carballo, Luis Celínio recebera já a insígnia da Ordem.
O Caminho de Santiago foi o primeiro itinerário europeu criado pelo Conselho da Europa
em 1987 e reclassificado em 2004 com a categoria de grande itinerário cultural europeu.

O Clube Escape Livre vai regressar a Compostela com o Off Road Bridgestone / First Stop
Caminho de Santiago de 30 de setembro a 4 de outubro, evento que reúne 50 veículos 4×4
e 120 pessoas e já está esgotado.

“Em Quarto Crescente” regressou com muito sucesso

De 9 a 16 de julho, o Município de Mangualde promoveu a 7ª edição do “Em Quarto Crescente”A iniciativa, que decorreu no Largo Dr. Couto, contou com uma programação eclética que procurou ir ao encontro de todos os públicos, trazendo ao palco artistas locais e nacionais.

O evento teve início no dia 9 de julho, com a inauguração da exposição “CONTRASTES” de autoria de Sérgio Amaral. Esta obra, que pretende levar o espetador a tomar consciência perante a diferença, estará patente ao público até 18 de novembro, e pode ser visitada em vários pontos da cidade de Mangualde, Relógio Velho e Biblioteca Municipal. O itinerário da exposição está desenhado através de uma série de instalações construídas com diferentes materiais, sendo que alguns são reciclados. O percurso, através da narrativa de formas, cor e luz, poderá levar o espetador a exercer sob o seu subconsciente, a dúvida e, consequentemente, a transformação necessária a uma sociedade mais justa, generosa e amiga do ambiente.

A primeira noite no Largo Dr. Couto, 13 de julho, foi dedicada aos heróis da animação e da BD, onde se destacaram os artistas locais, quer na área do teatro musical, quer na música. Rafael Pina, através da Associação CultuDão, em parceria com a Biblioteca Municipal e com a participação da Orquestra POEMa, construíram um espetáculo multidisciplinar que proporcionou ao público uma noite de memórias felizes e muito boa disposição. Seguiu-se Gongori, o mais recente projeto musical de Gonçalo Alegre. As leituras desta noite foram protagonizadas por Tomás Albuquerque e Leonor Rodrigues.

No dia 14 de julho, a noite foi dedicada aos heróis de sempre. Nos textos, foram relembrados os feitos heroicos de figuras mitológicas, históricas e da literatura, onde as leituras estiveram a cargo das jovens Mariana Pereira e Daniela Gomes. O espetáculo “VINIL” com David Valente em palco levou o público ao universo dos célebres Long Play, e foram eles o mote para um espetáculo sonoro, visual, virtuosístico, onde a técnica circense se aliou à música, a uma narrativa específica e a uma prosaica dramaturgia. O segundo espetáculo da noite deu a conhecer “O GAJO”, um projeto de grande qualidade de João Morais, com Carlos Barreto e José Salgueiro. A viola campaniça, instrumento de raiz tradicional portuguesa é a figura central deste projeto instrumental, com referências arábicas e mediterrânicas, numa nova linguagem para uma viola antiga, que na sua melhor tradição renasce pelas mãos D`O Gajo.

A noite de sexta-feira, 15 de julho, teve início com o teatro amador TEIA (Teatro Experimental de Intervenção Alvarim) da Associação Recreativa Cultural e Alvarim de Tondela, que trouxe uma peça que satirizou as conversas das tradicionais comadres. Um momento de boa disposição, ao qual se seguiu o concerto de Mazgani, que constituiu um grande momento musical nesta sétima edição do “Em Quarto Crescente”, trazendo ao publico de Mangualde o seu registo musical com uma forte inquietação lírica. Mazgani é considerado um dos mais talentosos escritores de canções da música portuguesa da última década.

Os textos desta noite, dedicados aos heróis de Mangualde – todos aqueles que lutaram e lutam pela prosperidade desta terra, foram lidos por Mariana Campos.

O último dia, 16 julho, foi dedicado ao 25º aniversário da Biblioteca Municipal. Depois das leituras com as jovens Inês Lomba, Juliana Santos e Juliana Rebelo, seguiu-se o primeiro espetáculo da noite, que trouxe o Palhaço Escultor, de Pedro Tochas. Uma iniciativa fantástica que encheu o Largo Dr. Couto de sorrisos e gargalhadas, agradando a todas as gerações presentes. O segundo momento da noite foi protagonizado por SENZA, um projeto musical de Catarina Duarte e Nuno Caldeira, músicos e viajantes que compõem canções inspiradas nas viagens que fazem pelo mundo. O seu espetáculo transportou o público de Mangualde para os locais remotos onde já estiveram.

O encerramento do “Em Quarto Crescente” de 2022, foi protagonizado pela Biblioteca Municipal que presenteou o público com um vídeo-mapping na fachada do edifício da Câmara Municipal, deixando o convite para as próximas iniciativas no âmbito do 25º aniversário da Biblioteca Municipal, que decorrerão ainda este ano.

O Município de Mangualde e a Biblioteca Municipal agradecem a todos o que tornaram possível a realização desta sétima edição do “Em Quarto Crescente”, particularmente aos colaboradores do Município diretamente envolvidos, às Professoras e Professor Bibliotecários das Bibliotecas do Agrupamento de Escolas, aos jovens participantes nas leituras, à Papelaria Adrião que esteve todos os dias presente com a sua mostra de livros, deliciando os mais novos, ao Igor Figueiredo, pelo cuidado com o serviço de bar, e a todos os profissionais das diversas áreas necessárias ao evento.

Cientista Jorge Paiva doa coleção de diapositivos à Universidade de Coimbra

O botânico e ecólogo Jorge Paiva, Professor Catedrático Jubilado da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra (FCTUC), vai doar a sua coleção de mais de 30 mil diapositivos ao Departamento de Ciências da Vida (DCV) da respetiva Faculdade. A cerimónia tem lugar na próxima terça-feira, 19 de julho, pelas 16h, na sala 2.13 (2º piso do edifício de S. Bento, DCV).

Esta coleção, iniciada na década de 1960, e que se prolonga até ao século XXI e ao aparecimento das máquinas fotográficas digitais, é o resultado das múltiplas expedições e missões que o Professor Jorge Paiva realizou ao longo da sua vida académica.

«Todos os diapositivos estão devidamente datados e identificados, com o nome dos locais, de instituições, de pessoas, de plantas e de ecossistemas de todos os continentes. Destaca-se o núcleo relativo às plantas e aos ecossistemas porque permitem a realização de estudos de biodiversidade e ecologia. A forma de acondicionamento dos slides, em caixas de cartão feitas à medida, permitiu a sua conservação ao longo das décadas. Nenhum diapositivo se perdeu até aos dias de hoje», explica Ana Margarida Dias da Silva, do Arquivo do Departamento de Ciências da Vida da FCTUC.

«Podem também citar-se as fotografias do Jardim Botânico da Universidade de Coimbra (JBUC) coberto de neve em fevereiro de 1983, as fotografias históricas do Real Jardim de Kew (Londres) da década de 1970 ou a coleção dos mais de 100 jardins e parques de Londres», acrescenta.

Para o Departamento de Ciências da Vida da FCTUC, a doação deste espólio representa a «possibilidade de salvaguarda e disponibilização de um conjunto significativo de dados históricos relativos a todas as zonas do globo e a responsabilidade de dar a conhecer e estudar o legado de um dos mais conhecidos e reconhecidos professores de Botânica da Universidade de Coimbra, a nível nacional e internacional».

 

 

 

Por:Cristina Pinto

Assessora de Imprensa – Universidade de Coimbra – Faculdade de Ciências e Tecnologia

 

Avisos e Liturgia do Domingo XVI do TEMPO COMUM – ano C

As leituras deste Domingo convidam-nos a reflectir o tema da
hospitalidade e do acolhimento. Sugerem, sobretudo, que a existência cristã é o acolhimento de Deus e das suas propostas; e que a ação (ainda que em
favor dos irmãos) tem de partir de um verdadeiro encontro com Jesus e da escuta da Palavra de Jesus. É isso que permite encontrar o sentido da nossa ação e da nossa missão. A primeira leitura propõe-nos a figura patriarcal de Abraão. Nessa figura
apresenta-se o modelo do homem que está atento a quem passa, que partilha tudo o que tem com o irmão que se atravessa no seu caminho e que encontra no hóspede que entra na sua tenda a figura do próprio Deus. Sugere-se, em consequência, que Deus não pode deixar de recompensar quem assim procede. A segunda leitura
apresenta-nos a figura de um apóstolo, para quem Cristo, as suas palavras e as suas propostas são a referência fundamental, o universo à volta do qual se constrói toda a
vida. Para Paulo, o que é necessário é “acolher Cristo” e construir toda a vida à
volta dos seus valores. É isso que é preponderante na experiência cristã.
O nosso tempo vive-se a uma velocidade estonteante… Para ganhar uns
minutos, arriscamos a vida porque “tempo é dinheiro” e perder um segundo é ficar
para trás ou deixar acumular trabalho que depois não conseguimos “digerir”.
Mudamos de fila no trânsito da manhã vezes incontáveis para ganhar uns metros,
passamos semáforos vermelhos, comemos de pé ao lado de pessoas para quem nem
olhamos, chegamos a casa derreados, enervados, vencidos pelo cansaço e pelo
stress, sem tempo e sem vontade de brincar com os filhos ou de lhes ler uma
história e dormimos algumas horas com a consciência de que amanhã tudo vai ser
igual… Claro que estas são as exigências da vida moderna; mas, como é possível,
neste ritmo, guardar tempo para as coisas essenciais? Como é possível encontrar
espaço para nos sentarmos aos pés de Jesus e escutarmos o que Ele tem para nos
propor?https://mail.google.com/mail/u/0?ui=2&ik=08d5f436b4&attid=0.2&permmsgid=msg-f:1738452097749395711&th=182038f8e162a8ff&view=att&disp=safe
Nas nossas comunidades cristãs e religiosas, encontramos pessoas que
fazem muitas coisas, que se dão completamente à missão e ao serviço dos irmãos,
que não param um instante… É óptimo que exista esta capacidade de doação, de
entrega, de serviço; mas não nos podemos esquecer que o activismo desenfreado
nos aliena, nos massacra e asfixia. É preciso encontrar tempo para escutar Jesus,
para acolher e “ruminar” a Palavra, para nos encontrarmos com Deus e connosco
próprios, para perceber os desafios que Deus nos lança. Sem isso, facilmente
perdemos o sentido das coisas e o sentido da missão que nos é proposta; sem isso,
facilmente passamos a agir por nossa conta, passando ao lado do que Deus quer de
nós. Esta época do ano – tempo de férias, de descanso – é um tempo privilegiado
para invertermos a marcha alienante que nos massacra. Que este tempo não seja
mais uma corrida desenfreada para lugar nenhum, mas um tempo de reencontro
connosco, com a nossa família, com os nossos amigos, com Deus e com as nossas
prioridades. A oração e a escuta da Palavra podem ajudar-nos a recentrar a nossa
vida e a redescobrir o sentido da nossa existência. Qual é a nossa perspectiva da
hospitalidade e do acolhimento? Esta leitura sugere que o verdadeiro acolhimento
não se limita a abrir a porta, a sentar a pessoa no sofá, a ligar a televisão para que
ela se entretenha sozinha, e a correr para a cozinha para lhe preparar um grande
banquete; mas o verdadeiro acolhimento passa por dar atenção àquele que veio ao
nosso encontro, escutá-lo, partilhar com ele, a fazê-lo sentir o quanto nos
preocupamos com aquilo que ele sente…

UHF entregam valor angariado com o tema beneficente “Ucrânia Livre” à Cruz Vermelha Portuguesa dia 19 de julho

Os UHF vão esta terça-feira, dia 19 de julho, à Cruz Vermelha Portuguesa oficializar a entrega do valor adquirido através de doações, a propósito do lançamento do tema beneficente ‘Ucrânia Livre’, com o valor a reverter para ações de apoio à Ucrânia. A canção foi editada em março de 2022 e é uma adaptação de ‘Saravejo’, tema lançado em em 1992, quando eclodiu a Guerra dos Balcãs, há 30 anos. A banda de António Manuel Ribeiro estará nas instalações da Cruz Vermelha Portuguesa, no Jardim 9 de Abril, em Lisboa, pelas 11h00 do dia 19 de julho, próxima terça-feira, onde será recebida pela Presidente Dra Ana Jorge.

‘Ucrânia Livre’ demonstra a solidariedade dos portugueses e artistas nacionais para com o povo ucraniano, que atravessa aquele que é um dos momentos mais obscuros e incertos dos últimos 80 anos na Europa. Os UHF trazem-nos uma forte mensagem de apoio, deixando claro que a Paz prevalecerá sobre o caos.